Dulcina lança edital para eleger os novos curadores da faculdade

    0
    260
    Daniel Ferreira/Metrópoles

    Após quatro anos de imbróglio judicial, a Faculdade Dulcina de Moraes poderá eleger um novo conselho de curadores para administrar o centro de ensino. O edital que regula o processo eleitoral  foi divulgado no site da instituição.

    Para tentarem uma vaga no conselho, os candidatos devem ter ensino superior, comprovada experiência em artes e “absoluto histórico de idoneidade moral”. Além disso, fica vedada a participação de antigos dirigentes da instituição que já tenham sido afastados.

    Os interessados deverão enviar toda documentação (dados pessoais e currículo) até 31 de agosto. A divulgação dos candidatos selecionados ocorrerá no dia 14 de setembro.

    Problema judicial
    O imbróglio só começou a se resolver quando o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) nomeou Débora Aquino como a nova interventora da Faculdade Dulcina de Moraes e da Fundação Brasileira de Teatro (FBT). O nome da antiga coordenadora da Funarte era consenso entre o Movimento Dulcina Vive e os professores da instituição.

    Débora assume o lugar deixado pela advogada Vanessa Ribeiro, afastada do cargo em abril após entrar em rota de colisão com estudantes e professores. A nova interventora será a responsável por conduzir as eleições e dar posse ao Conselho Gestor.

    googletag.cmd.push(function() {
    googletag.defineSlot(‘/123935210/PUB_CAT_PAI-300×250-G-2’, [[300, 250] , [336 , 280]], ‘PUB_CAT_PAI-300×250-G-2’).addService(googletag.pubads());
    googletag.pubads().enableSingleRequest();
    googletag.enableServices();
    });

    Em fevereiro, o Movimento Dulcina Vive realizou uma assembleia com a comunidade local e decidiu ocupar o prédio que abriga a FBT e a Faculdade Dulcina de Moraes. Os estudantes da instituição e membros da comunidade artística alegavam que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) não estaria cumprindo as regras para a eleição do Conselho de Curadores — responsável por gerir a instituição.

    A principal reivindicação do movimento era a presença da comunidade artística no Conselho. No entanto, a interventora judicial nomeada pelo MPDFT, Vanessa Ribeiro, se recusou a receber os alunos.

    Vanessa é uma das delatoras da Operação Acrônimo e trabalhava como secretária de Benedito Rodrigues de Oliveira Neto. O empresário, dono da Gráfica Brasil, é apontado como pivô de um esquema de desvio de dinheiro público e financiamento ilegal de campanha, entre elas a de Fernando Pimentel (PT-MG) e da ex-presidente Dilma Rousseff.

    Artigo anterior“A Força do Querer”: Joyce fica horrorizada ao ver Ivana de barba
    Próximo artigoFlip 2017: uma festa literária com foco na diversidade