O masculino e o feminino não seriam, então, criações da sociedade?Por kathlen Amado.

    1
    219

    Não entendo porque existe a idéia de que se a mulher pode ser mãe e gerar uma vida, ela é santa. Sendo assim, é sagrada e inviolável. Não acho que o dom, lindo, da maternidade, defina todo o resto na vida de uma mulher.  Inclusive, não acho que ficar com diversas pessoas a transforma em vadia, nem que isso defina seu caráter.

    Na Itália homens se beijam na bochecha, sem serem considerados gays. Na Escócia, os homens usam saias. No Japão também há roupas tradicionais masculinas nesse estilo. Em várias sociedades antigas e algumas tribos africanas, a mulher também pode ser agressiva e é ensinada a lutar. Em alguns exemplos os homens é que se dedicam à decoração e às artes. Até o começo do século XX, algumas pessoas advogavam que Rosa, que é derivado do Vermelho, era uma cor para meninos, e o Azul, que é “calmo”, e por isso “delicado” era melhor para meninas.

    O que realmente define caráter é o que você faz com as pessoas. É quem você é. Se as respeita, se não mente sobre quem você é e o que você quer. O que torna uma pessoa um/uma cafajeste, por exemplo, é ficar com muitas pessoas e não deixar claro para cada uma delas que o que ela procura agora não é um relacionamento sério.

    Esse discurso de “não se tornem como os homens” é a mentira mais suja já produzida. Finge “proteger” as mulheres. Na verdade está separando as coisas como sempre foram: homens naturalmente querem sexo e podem fazer o quanto quiser porque não engravidam, porque não são “sagrados” (que conceito mais sem sentido, o que é ser sagrado pra essa gente?), porque sempre “foram assim” (sempre mesmo? cadê a prova? Sempre a partir de quando?). E a mulher continua tendo que ser casta para poder ganhar o respeito de ser chamada de mulher, de honrar o papel de mulher,de santa?

     

    A mulher é livre. Lutemos pelos direitos da mulher.

    Artigo anteriorPoliciais militares trocam tiros com jovens no Sudoeste
    Próximo artigo“Os Embalos de Sábado à Noite”