Jukebox Sentimental: 2017 marca 50 anos de brilhantismo do The Doors

    0
    259
    Reprodução

    Meio que menestréis urbanos do lado escuro da ensolarada Califórnia, os Doors, que emergiram no olho do furacão do movimento hippie/psicodélico, entraram no estúdio para gravar o primeiro álbum da banda em agosto de 1966. Após uma confusão com o dono da casa de show Whisky a Go Go, o grupo assinou contrato com a Elektra.

    Na época, eles não tinham empresário nem procurador. O que obrigou o pai do guitarrista Robby Krieger a convocar o advogado da família, um experiente profissional de Beverly Hills chamado Max Fink. Burocracia ajustada, era só colocar as emoções para fora no Sunset Sound Studios, sob a batuta do experiente produtor Paul A. Rothchild.

    “The Doors” (1967) ganhou edição comemorativa de 50 anos em março deste ano. O clássico álbum traz mistura original de estilos que já vendeu mais de 10 milhões de cópias e influenciou gerações. Entre os admiradores do grupo, estava Renato Russo. Também Ian McCulloch, do Echo & The Bunnymen, U2, Duran Duran e, veja só, Chester Bennington, vocalista do Linkin Park que se suicidou recentemente. É dele o prefácio do livro “The Doors por The Doors”, lançado em 2010, pelo jornalista Ben Fong-Torres.

    “Tinha 13 anos quando ouvi ‘Break On Through’ pela primeira vez; não tinha ideia de quem era os Doors ou do impacto que sua música teria sobre mim”, observa Bennington.

    Para celebrar ainda os 50 anos do surgimento da banda e dessa grande obra, será lançada em setembro, a coletânea “The Singles” com canções gravadas pelo grupo que não entraram nos álbuns oficiais: “Easy Ride”, “Runnin’ Blue”, “Do It”, “The Piano Bird”.

    Um poeta entre o céu e o inferno
    O híbrido caldeirão de impressões que definiria a personalidade sonora da banda, sintetizado no primeiro álbum, tinha como epicentro o vocalista Jim Morrison que, aos 16 anos, já era entendido em Nietzsche, Rimbaud e William Blake. No palco, exibia um sex appeal selvagem que revelava, por meio de letras simbólicas, um poeta cuja alma parecia estar atormentada entre o céu e o inferno.

    Já o baterista John Densmore, fã de blues, jazz e bossa nova, era o motor incansável da banda, com destreza implacável no comando das baquetas. Guitarrista com influências de música flamenca e cítara indiana, Robby Krieger tirava um som exótico de seu instrumento ao não usar palhetas. O ar de parque de diversões meio infantil e sombrio foi criado pelo pianista Ray Manzarek.

    O próprio nome do grupo, pinçado de um poema do britânico William Blake (1757 – 1827), evocava uma filosofia inusitada. “Se as portas da percepção fossem purificadas, cada coisa apareceria ao homem como é – infinito”, escreveu o inglês. “Nada é tão eterno quanto a poesia e a música”, refletiria Morrison, no auge da fama.

    Artigo anteriorCinco razões que explicam o sucesso de “A Força do Querer”
    Próximo artigoEmpréstimo consignado é opção para quem deseja pagar juros mais baixos