Primeiro livro publicado por mulher no Ocidente é tema de aula na UnB

    0
    300
    Giovanna Bembom/Metrópoles

    “Cidade das Damas”, lançado em 1405, foi um marco na história da literatura. Ao lançar a obra, a francesa Christine de Pizan se tornou a primeira mulher a publicar um livro no Ocidente. Nela, a escritora formula a misoginia como um problema, buscando compreendê-la e superá-la por meio de um diálogo argumentativo e cheio de exemplos.

    Embora tenha sido no crepúsculo da Idade Média, o livro trata de temas persistentes na agenda feminista contemporânea. Por isso, “Cidade das Damas” tornou-se tema da disciplina “Ideias Filosóficas em Forma Literária”, disponibilizada todos semestres no Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília (UnB).

    “A obra é uma desconstrução de argumentos misóginos produzidos pela literatura Ocidental por poetas, moralistas, teólogos, filósofos e autores que apresentam uma visão de mundo, e de si mesmos, elevando-se pela depreciação da mulher”, explica a professora da disciplina, Ana Míriam.

    googletag.cmd.push(function() {
    googletag.defineSlot(‘/123935210/PUB_CAT_PAI-300×250-G-1’, [[300, 250] , [336 , 280]], ‘PUB_CAT_PAI-300×250-G-1’).addService(googletag.pubads());
    googletag.pubads().enableSingleRequest();
    googletag.enableServices();
    });

    Feminismo
    Na obra, Christine de Pizan apresenta três damas ilustres (Razão, Retidão e Justiça) que vivem numa fortaleza de virtudes femininas, a Cidade das Damas. Durante a narrativa, a escritora discorre sobre o direito das mulheres à educação, afirma a competência delas em todas as áreas do saber, defende a participação na economia doméstica e no governo. Além disso, debate as violências contra as mulheres, da difamação ao estupro.

    Christine de Pizan usou a sua erudição para defender as mulheres dos ataques misóginos do seu tempo, e protagonizou a querela que se estendeu por séculos até chegar aos dias de hoje.

    Ana Míriam

    O pensamento de Christine de Pizan foi referência para grandes nomes da literatura e da filosofia mundial, como Simone de Beauvoir (“O Segundo Sexo”), e é tema para um grupo de pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

    “A leitura da obra é acessível, mas as suas referências a literatura, teologia e filosofia exigem um estudo mais atento”, explica Ana Míriam. Apesar de ser uma disciplina do Departamento de Filosofia, as aulas são abertas a todos os cursos da UnB. Aquele que tiver interesse deve enviar o pedido de matrícula para aluno especial pelo e-mail [email protected].

    Artigo anterior“Dropz”: novo livro de Rita Lee debate amor e cotidiano
    Próximo artigoGarrafa com recados guardados há 30 anos trazem memórias de ex-estudantes