Vídeos mostrando OVNIs são reais, Marinha Americana admite

0
89

Três vídeos gravados em duas ocasiões distintas mostrando encontros com objetos voadores não identificados (os populares OVNIs) tiveram sua autenticidade confirmada na última terça-feira (17) pela Marinha dos EUA. De acordo com o comunicado da corporação, as imagens foram feitas por pilotos em missões em 2004 e 2015.

Entre 2017 e 2018, o jornal New York Times divulgou três vídeos (chamados de FLIR1, Gimbal e GoFast ) em que pilotos de caças perseguem misteriosas naves. Os pilotos não faziam ideia do que aquilo seria –  e, segundo disseram recentemente oficiais da inteligência da Marinha, o governo dos EUA também não.

Segundo os pilotos do esquadrão VFA-11 Red Rippers, os objetos estranhos começaram a aparecer logo depois de a Marinha ter atualizado os sistemas de radar de seus aviões de combate. (Fonte: The New York Times/Adam Ferguson)

Foram dois encontros: o primeiro em 2004, na Califórnia, envolvendo pilotos que haviam acabado de decolar do porta-aviões USS Nimitz, nas costas da Califórnia. O segundo, em 2015, se deu entre as naves e caças do esquadrão VFA-11 Red Rippers, servindo no porta-aviões Theodore Roosevelt.

De acordo com o porta-voz do vice-chefe de Operações Navais, Joseph Gradisher, a Marinha considera os objetos “fenômenos aéreos não identificados” e, até o momento, inexplicáveis.

Programa encerrado, mas não tanto

A partir de 2017, o jornal New York Times publicou uma série de reportagens sobre o pouco conhecido Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais do Pentágono, que analisou os dados de radar, vídeos e contas fornecidos por oficiais do Roosevelt. Luis Elizondo, um oficial de inteligência militar que dirigiu o programa até renunciar, em 2017, chamou os avistamentos de “uma série impressionante de incidentes”.

O programa, que começou em 2007, foi oficialmente encerrado em 2012 por conta de cortes no orçamento da Marinha, de acordo com o Pentágono. Elizondo e outros ex-funcionários, porém, afirmam que o programa continua – parte dele, secretamente.

https://www.youtube.com/watch?v=bFeruTSDGFI

Se você não conseguiu ver o vídeo acima, clique aqui para ser redirecionado ao YouTube ou assistir outra publicação do mesmo vídeo publicado pelo New York Times, porém com legendas em inglês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui