Direção segura

0
40

A Polícia Militar do Estado de São Paulo iniciou ontem a operação “Carnaval Mais Seguro”, uma ação que será desenvolvida em Sorocaba pelo 7º Batalhão da Polícia Militar do Interior (7º BPM-I). Além do policiamento de rotina, haverá um reforço para garantir a segurança no período carnavalesco. Na região haverá aumento no número de policiais nas ruas e no número de viaturas.

Em Sorocaba o policiamento contará com vários pontos onde viaturas da PM permanecerão estacionadas para dar apoio e segurança aos blocos.

Para garantir um Carnaval mais seguro a PM dá uma série de dicas aos foliões, como não deixar celular à mostra; levar bolsas e mochilas à frente do corpo; se afastar de brigas, caso elas aconteçam e tomar muito cuidado com as crianças em locais de aglomeração.

Haverá também um trabalho contra a realização dos chamados “pancadões” que contará com viaturas da Força Tática e participação da cavalaria da PM. O objetivo dessas ações é coibir os delitos que ocorrem nesses encontros, como a venda de bebidas a menores de 18 anos, tráfico de drogas e som alto em horário impróprio, entre outros.

Mas é a operação “Direção Segura”, que envolve toda a Polícia Militar do Estado de São Paulo que terá um papel fundamental na segurança do trânsito, evitando acidentes causados por pessoas que insistem em dirigir alcoolizadas. Essa operação também será realizada nas estradas pela Polícia Rodoviária estadual, para tentar evitar acidentes que ocorrem por conta de embriaguez ao volante. A operação começou ontem só termina na próxima quarta-feira.

Direção e álcool não combinam. Dirigir sob o efeito do álcool é uma das principais causas de acidentes de trânsito no mundo. Em 2020 a chamada Lei Seca está completando 12 anos. Ela foi criada em 2008 com o objetivo de coibir e punir quem bebe e dirige, e não somente ampliou o rigor da legislação já existente, como também estimulou o debate em toda a sociedade.

Um estudo realizado pelo Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES) e divulgado em 2017 mostra que, entre 2008, quando passou a valer a nova legislação, e 2016, a Lei Seca teria evitado a morte de quase 41 mil pessoas. Mesmo assim, a embriaguez ao volante continua sendo uma das principais causas de acidente no Brasil.

A partir de 2018, a Lei Seca ficou mais rigorosa, para fechar o cerco contra aqueles que persistem em dirigir após ingerir bebidas alcoólicas. Uma mudança no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) definiu que o motorista que dirigir sob o efeito de álcool e causar acidente com morte será enquadrado no crime de homicídio culposo, podendo ser condenado a pena que varia de cinco a oito anos.

Se o acidente provocar à vítima lesões graves ou gravíssimas, a pena poderá ser de dois a cinco anos de prisão. Nos dois casos não existe a possibilidade do pagamento de fiança.

Sempre é bom lembrar os motoristas que, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, dirigir após ingerir álcool, independente da concentração, ou recusar-se a fazer o texto do bafômetro, é uma infração gravíssima, com pena de multa de quase R$ 3 mil, suspensão do direito de dirigir por um ano, recolhimento da CNH e retenção do veículo.

E desde 2018, dirigir sob a influência do álcool é crime, sujeito a pena de detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de obter a CNH. Somente a Polícia Rodoviária Federal flagrou, em 2017, 19.083 motoristas dirigindo após ingerir bebida alcoólica.

Nesse período foram registrados 6,45 mil acidentes nas rodovias federais causados por condutores alcoolizados, com mais de 13 mil vítimas e aproximadamente mil mortes. Muitos motoristas acham que conhecem seu ponto de tolerância ao álcool e que podem beber e dirigir sem colocar em risco a segurança no trânsito.

Estudos científicos, entretanto, mostram que não há quantidade de álcool ingerida que possa ser considerada segura para se dirigir. São inúmeros os fatores que influenciam a absorção e a eliminação do álcool do organismo e mesmo pequenas doses são suficientes para comprometer a capacidade de condução.

Um levantamento divulgado após o Carnaval do ano passado pela Polícia Rodoviária Federal mostra que as principais causas dos acidentes com mortes no feriado prolongado foram a falta de atenção dos motoristas, o excesso de velocidade e a embriaguez ao volante.

Dessa maneira, é essencial que a Polícia Militar realize a operação “Direção Segura” nas cidades e nas estradas neste período, pois ao retirar motoristas que ingeriram álcool das vias certamente estará evitando acidentes e poupando vidas.

O post Direção segura apareceu primeiro em Jornal Cruzeiro do Sul.