Casal iraniano é condenado a 10 anos de prisão por dançar na rua veja o vídeo

0
245

Eles não tiveram direito a um advogado ou possibilidade de pagamento de fiança

Um casal iraniano foi condenado a mais de 10 anos de prisão por dançar em frente ao monumento da Praça Azadi, um dos principais pontos turísticos da capital Teerã. O  vídeo do casal que viralizou irritou o regime do Estado Islâmico.

Astiyazh Haghighi, 21, e seu noivo Amir Mohammad Ahmad, 22, foram vistos no vídeo dando um giro romântico em frente à Torre Azadi.

Os dois foram presos no início de novembro já que as mulheres não podem dançar em público no Irã, muito menos com um homem.

Haghighi também apareceu no vídeo sem lenço na cabeça, em solidariedade aos protestos pela morte em setembro de Mahsa Amini , 22, após sua prisão por não cumprir as rígidas regras do hijab.

Haghighi e seu namorado foram condenados esta semana a 10 anos e meio de prisão cada um por um tribunal revolucionário em Teerã, informou a Agência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos (HRANA), com sede nos Estados Unidos.

O casal – ambos populares no Instagram – foi condenado por “incentivar a corrupção e a prostituição pública”, bem como “se reunir com a intenção de perturbar a segurança nacional”, afirmou o tribunal.

HRANA citou fontes próximas a suas famílias dizendo que eles não tiveram direito a um advogado ou possibilidade de pagamento de fiança durante o processo judicial.

Ele disse que Haghighi estava agora na prisão de Qarchak para mulheres, fora de Teerã, cujas condições são regularmente condenadas por ativistas.

As autoridades iranianas reprimiram severamente todas as formas de dissidência desde a morte de Mahsa Amini em setembro. A morte de Amini, que havia sido preso por supostamente violar as regras do véu, gerou protestos que se transformaram em um movimento contra o regime.

Pelo menos 14.000 pessoas foram presas, segundo as Nações Unidas, desde celebridades proeminentes, jornalistas e advogados até pessoas comuns que saíram às ruas.

O vídeo do casal foi aclamado como um símbolo das liberdades exigidas pelo movimento de protesto, com Ahmadi em um momento levantando sua parceira no ar enquanto seus longos cabelos caíam para trás.

Artigo anteriorSkank sobre show de despedida: “As músicas sempre vão existir”
Próximo artigoGDF mobiliza toda sua estrutura para o Carnaval da Paz