Mobilidade – Governador Ibaneis Rocha inaugura viaduto no sudoeste beneficiando milhares de pessoas

0
313

O Viaduto Luiz Carlos Botelho custou R$ 24,6 milhões. Segundo o GDF, a obra vai melhorar o trânsito na Epig, no Sudoeste

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), inaugurou o viaduto do Sudoeste, na manhã deste sábado (21/10). Depois, Ibaneis liderou um passeio ciclístico que saiu da parte debaixo do viaduto e seguiu até o Estacionamento 11 do Parque da Cidade.

A obra foi realizada em dois anos e quatro meses. Ibaneis assinou a ordem de serviço para a construção do elevado em junho de 2021, ainda no primeiro mandato

No início da obra, moradores do Sudoeste reclamaram do impacto das intervenções após a retirada de árvores na região. Neste sábado, Ibaneis lembrou dos protestos e ponderou que a obra irá facilitar a vida dos motoristas não só do Sudoeste, mas também de outras localidades.

“Sabíamos, desde o início, que nós estávamos no caminho certo e esta obra iria ajudar muito no trânsito da cidade”, declarou.

Ibaneis inaugurou o viaduto ao lado da primeira-dama, Mayara Noronha, da vice-governadora, Celina Leão (PP), de outros apoiadores políticos e do filho caçula, Mateus, de 4 anos.

A obra custou R$ 24,6 milhões, segundo o Governo do Distrito Federal (GDF). Só o investimento na iluminação nova, com 260 lâmpadas de LED, foi de R$ 1,2 milhão, realizado pela CEB Ipes.

A expectativa é de que o viaduto melhore o fluxo do trânsito da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig) até o Eixo Monumental. Segundo o GDF, 25 mil motoristas que passam pela região todos os dias serão beneficiados.

O viaduto foi construído na intersecção da Epig com o Sudoeste e o Parque da Cidade.
A estrada da Epig continuará no mesmo nível, rumo ao Eixo Monumental ou à Estrada Parque Taguatinga (EPTG), mas quem passar do Sudoeste para o Parque da Cidade terá de cruzar o caminho por uma passagem subterrânea.

O novo elevado foi batizado de Viaduto Luiz Carlos Botelho, em homenagem ao engenheiro civil que presidiu o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF). Ele morreu em 2018, em decorrência de complicações cardíacas.

Artigo anteriorBRB AMPLIA PIX JUDICIAL
Próximo artigoGDF investe R$ 148 milhões na construção de 30 unidades de educação básica