Combate a incêndios florestais recebe o reforço de 150 brigadistas

0
73

Profissionais vão atuar em unidades de conservação e parques geridos pelo Instituto Brasília Ambiental, além de apoiar o trabalho dos bombeiros em outras áreas do DF

Com a chegada do período de seca, cresce a preocupação com os incêndios florestais. Por isso, o Governo do Distrito Federal (GDF) tem realizado ações para a prevenção e o combate ao fogo. Uma delas foi a posse de 150 brigadistas temporários, nesta quarta-feira (26).

O reforço vai ajudar a evitar e a combater incêndios nas unidades de conservação e parques geridos pelo Instituto Brasília Ambiental, além de trabalhar ao lado do Corpo de Bombeiros em outras áreas do DF. São seis supervisores de brigada, 24 chefes de brigada e 120 brigadistas de prevenção e combate a incêndios florestais, todos escolhidos via processo seletivo.

“Os órgãos ambientais têm trabalhado conjuntamente para que a gente consiga traçar uma estratégia de combate aos incêndios florestais. O Brasília Ambiental conseguiu fazer essa contratação de forma antecipada, através do decreto do governador Ibaneis Rocha, que coloca Brasília em emergência ambiental de fato, e a gente tem conseguido uma articulação com o Corpo de Bombeiros, com outros órgãos, para que a gente consiga ter maior êxito no combate aos incêndios florestais”, exaltou o secretário do Meio Ambiente e Proteção Animal, Gutemberg Gomes.

O trabalho integrado de diferentes áreas do governo também foi destacado pela coordenadora do Plano de Prevenção de Combate aos Incêndios Florestais (PPCIF), Carolina Schubart. “O PPCIF é um trabalho de parceria. A gente trabalha com 23 instituições — distritais, federais e militares –, que atuam de forma integrada em diversas ações. Desde o início do ano, a gente vem trabalhando em ações preventivas, que vão ser finalizadas na segunda quinzena de julho. Depois, é apenas a fase de combate, que vai até o final do ano”, explicou.

Rôney Nemer ressalta que a população precisa ajudar o trabalho da brigada com ações como não jogar bitucas de cigarro para fora do carro

O presidente do Brasília Ambiental, Rôney Nemer lembrou a compra de novos equipamentos que vão ajudar no trabalho, em um ano com previsão de clima ainda mais seco. “De 2022 para 2023, com a logística que foi feita, nós conseguimos reduzir em mais de 67% a área queimada. Este ano, nós temos um problema, porque parou de chover mais cedo e a vegetação está mais seca. Agora, o que a gente precisa é contar com as pessoas para não jogarem bituca de cigarro para fora do carro e terem cuidado com as fogueiras de festa junina, por exemplo.”

Reforço

Vitor Luz foi um dos empossados nesta quarta-feira. Ele vai para a terceira temporada atuando como brigadista florestal e disse ter se adaptado às dificuldades ao longo do tempo. O agente mostrou-se animado para retomar o trabalho: “A gente vai ter um aumento da seca e a minha expectativa é que a gente consiga suprir essa necessidade dando todo o apoio necessário”.

Vitor Luz: “A gente vai ter um aumento da seca e a minha expectativa é que a gente consiga suprir essa necessidade dando todo o apoio necessário”

A chegada do novo efetivo foi comemorada por quem já está na lida. “Esse reforço é de suma importância. A gente está aqui com os guerreiros que apagam de fato o incêndio em qualquer área do DF, qualquer parque do Ibram, em locais de difícil acesso, em um trabalho conjunto com o CBMDF”, apontou Jânio Farias, supervisor de brigada contra incêndio do Brasília Ambiental.

O Corpo de Bombeiros, aliás, também esteve presente na cerimônia de posse. Subcomandante do Grupamento de Proteção Ambiental, o capitão Tulio Colombaroli ressaltou que a ajuda será bem-vinda. “A gente vê que está aumentando o número de focos de incêndio. Então, toda força de trabalho a mais em campo vai ajudar. A gente está sempre atuando de forma sincronizada, para que o combate ocorra de forma organizada e nós consigamos dar o melhor resultado para a sociedade.”

Balanço

Apenas neste ano, já foram registrados 121 incêndios em unidades de conservação e parques administrados pelo instituto, resultando em 336 hectares queimados. Em todo o DF, segundo o Corpo de Bombeiros, foram 4.605 ocorrências e 3.600 hectares atingidos.

Além da posse e da compra de equipamentos para os brigadistas, entre as outras frentes de ação do GDF para o combate ao fogo estão as queimadas controladas, as blitzes educativas e a Operação Verde Vivo.

Artigo anteriorSTF Define Limite de 40g ou Seis Plantas de Cannabis para Diferenciar Usuários de Traficantes entenda na pratica como fica.
Próximo artigoBolívia: Preso, general Juan José Zúñiga acusa Luis Arce de autogolpe