Já está valendo! Ônibus deixam de receber pagamento em dinheiro

0
48

Mudança teve início nesta segunda-feira (1º) e ocorrerá de forma gradativa; neste primeiro momento, novidade abrange 52 linhas de transporte coletivo

Nesta segunda-feira (1º), 52 linhas de ônibus do sistema de transporte público coletivo do Distrito Federal deixaram de aceitar dinheiro como método de pagamento. Agora, os usuários devem utilizar exclusivamente meios eletrônicos na aquisição dos bilhetes. São aceitos cartões de transporte e bancários, além de dispositivos com tecnologia de pagamento por aproximação, como smartphones, smartwatches e pulseiras inteligentes.

Novo sistema traz vantagens para usuários e servidores das linhas de ônibus | Fotos: Matheus H. Souza/Agência Brasília

A novidade chega para trazer mais modernidade, segurança e praticidade aos usuários. A mudança será gradativa e, neste primeiro momento, abrange 5,65% das 919 linhas existentes – dez da Piracicabana, 15 da Pioneira, sete da Urbi, dez da Marechal e dez da BsBus.

O secretário de Transporte e Mobilidade, Zeno Gonçalves, afirma que a transição está sendo feita de forma gradativa e monitorada pela pasta. “Nós estamos monitorando como anda o acesso dos usuários que ainda tentam pagar em dinheiro”, explica. “São pouquíssimas intercorrências, mostrando que a estratégia que nós adotamos de começar pelas linhas com pouco pagamento em espécie se mostrou acertada. Nós vamos acompanhar ao longo de toda semana, estabelecer protocolos específicos para os casos de usuários que não têm nenhuma outra forma de pagar a não ser em espécie e ampliar esse tipo de pagamento para outras linhas”.

Créditos

Facilitando o acesso dos usuários aos novos métodos de pagamento, há 128 postos de atendimento disponíveis para recarga e solicitação de cartões de bilhetagem. São aceitos pagamentos em dinheiro, cartões de crédito e débito. Além disso, o aplicativo BRB Mobilidade permite a aquisição de créditos de transporte via Pix.

Atualmente, existem seis tipos de cartões do Sistema de Bilhetagem: Mobilidade, Vale-Transporte, Estudantil, Especial, Criança e Sênior. Os dois primeiros permitem ao passageiro fazer até três embarques no mesmo sentido, no prazo máximo de até três horas entre o primeiro e o último embarques. Em vez de pagar três passagens, os deslocamentos podem ser feitos com a tarifa máxima de R$ 5,50.

Natália Almeida: “Facilita muito o pagamento, especialmente para quem não anda com dinheiro na carteira ou antes precisava sacar”

Foi justamente essa praticidade que chamou a atenção da servidora pública Natália Almeida, 29. “Facilita muito o pagamento, especialmente para quem não anda com dinheiro na carteira ou antes precisava sacar”, afirma. “Achei mais prático, porque não sou daqui de Brasília e, por isso, não tenho o cartão de bilhetagem”.

Viviana Vasconcelos, 33, avalia que a mudança também traz mais segurança para quem pega ônibus diariamente: “Achei muito interessante, pois o dinheiro acaba sendo um atrativo para criminosos, então é uma forma de evitar a violência no transporte público”.

Dinheiro em desuso

A mudança leva em consideração estudos da Secretaria de Transporte e Mobilidade do DF (Semob) que apontam desuso na utilização do dinheiro como método de acesso dos usuários do sistema. Em 2023, apenas 31% dos pagamentos foram efetuados com quantias em espécie, representando R$ 278,5 milhões.

Hoje, os coletivos do DF cobram passagens de R$ 5,50 (longa e metrô), R$ 3,80 (ligação de RAs) e R$ 2,70 (curta). Mas o valor máximo da passagem integrada para quem utiliza cartão de transporte é de R$ 5,50, mesmo que o passageiro cumpra trajetos de diferentes preços.

Confira aqui a lista completa dos ônibus que aceitam cartões.

Artigo anteriorGDF – Sorteio do Nota Legal: morador do Varjão gastou R$ 16,34 e ganhou R$ 500 mil
Próximo artigoTransformação Digital na Mídia de Notícias Local