Mostra reúne filmes de diretoras negras na Caixa Cultural

    0
    340
    Alile Dara Onawale/Divulgação

    A mostra “Diretoras Negras no Cinema Brasileiro” reúne 45 filmes no Teatro da Caixa Cultural. De terça (4/7) a 11 de julho, títulos de ficção e documentário envolvem temas como representação racial, identidade de gênero e injustiças sociais. As sessões têm entrada franca e classificação indicativa livre.

    Os curtas, médias e longas-metragens reforçam o caráter de resistência de diretoras negras no Brasil, ainda pouco representadas no cinema nacional.

    googletag.cmd.push(function() {
    googletag.defineSlot(‘/123935210/PUB_CAT_PAI-300×250-G-2’, [[300, 250] , [336 , 280]], ‘PUB_CAT_PAI-300×250-G-2’).addService(googletag.pubads());
    googletag.pubads().enableSingleRequest();
    googletag.enableServices();
    });

     

    A curadoria de Kênia Freitas, pesquisadora e doutora em comunicação e cultura pela UFRJ, e Paulo Ricardo de Almeida, crítico e produtor de mostras de cinema, desbrava a produção de mulheres negras desde o pioneiro longa de Adélia Sampaio, “Amor Maldito” (1984), também contemplado na seleção.

    Os filmes da programação trafegam por temas diversos e sob diferentes abordagens. “Das Raízes às Pontas”, curta brasiliense de Flora Egécia, aborda a potência política e identitária do cabelo crespo, questionando os padrões de beleza.

    Outro nome forte é Yasmin Thayná, carioca do curta “Kbela” (2015, foto no alto) e criadora da Afroflix, plataforma que reúne produções de artistas negros.

    A mostra também passeia pelas carreiras de cineastas como Viviane Ferreira (São Paulo), Larissa Fulana de Tal (Rio de Janeiro) e Elen Linth (Amazonas).

    Em Hollywood
    Ava DuVernay, principal diretora negra em atividade em Hollywood, foi a primeira a ter longa indicado ao Oscar de melhor filme, por “Selma – Uma Luta pela Igualdade” (2014).

    Também autora do documentário “A 13ª Emenda” (2016), sobre racismo, violência e encarceramento em massa nos EUA, Ava tem como próximo projeto a fantasia “Uma Dobra no Tempo”, financiado pela Disney. Será o primeiro filme de uma diretora negra com orçamento superior a US$ 100 milhões.

    Diretoras Negras no Cinema Brasileiro
    De terça (4/7) a 11 de julho, no Teatro da Caixa Cultural (Setor Bancário Sul, quadra 4, lotes 3/4, 61 3206-6456). Entrada franca. Programação completa. Classificação indicativa livre

    Artigo anteriorSeis discos de novelas dos anos 1980 que mais pareciam um filme pornô
    Próximo artigoTeatro Bar inicia temporada de espetáculos no Setor Comercial Sul