Brasileiro superdotado de 2 anos já sabe ler e falar inglês

0
46
Aos 2 anos de idade, esse menino brasileiro superdotado já sabe ler e arrisca várias palavras em inglês. O QI dele é altíssimo e deve aumentar ainda mais com a evolução!

Rael da Silva tem um crescimento considerado muito acima da média quando comparado com outras crianças da mesma idade. Com um ano e três meses, a mamãe Vanilde percebeu os primeiros sinais.

O garoto tem uma facilidade muito grande com línguas. Rael já sabe contar até 30 em inglês, além de conhecer também o nome das cores. “Nossa geração humilde do interior, veio saber o que era Verbo To Be com 15 anos. É divertido”, brincou o pai, Ramon de Araújo Reis. Em breve, ele deve ser indicado para uma sociedade de superdotados.

Sinais logo cedo

Os primeiros sinais apareceram muito cedo. Vanilde é professora e conseguiu perceber a superdotação do filho bem no início.

“A gente começa a perceber que é incomum, uma criança com um ano e quatro meses, saber tudo isso. Eu procurei investigar, ele começou a demonstrar a leitura muito fácil, com propagandas na cidade, visualmente falando”, contou.

A mãe ainda explicou que, durante passeio no carro, Rael lia bastante placas enquanto estava na cadeirinha.

“Ele começou a ler as propagandas de dentro do carro, na cadeirinha. E aí, certo dia, ele leu uma palavra completa e eu achei estranho”.

Aprendendo outros idiomas

E uma das maneiras que a superdotação de Rael se manifesta é com idiomas.

O inglês ele domina, mas também se interessa por outras línguas.

“Porque quando a gente coloca ele para assistir algum desenho, ele pede para trocar. Pede uma língua que eu não conheço. É uma língua russa, ucraniana”, explicou Vanilde.

O garoto foi para escola quando completou dois anos e logo de início recebeu propostas diferenciadas.

“A gente percebeu esse avanço dele e optou por não esperar o ano terminar e assim que ele completou dois, a gente colocou na escola. A escola veio com uma proposta bilíngue, aí ele logo estava falando números em inglês, até 20, 30, as cores ele conhece todas em inglês, coisa que a gente, nossa geração humilde do interior, veio saber o que era Verbo To Be com 15 anos. É divertido”, lembrou o pai.

Acompanhamento e sociedade

Para aprender a lidar com a condição, Rael faz acompanhamento com uma neuropsicóloga. A escola também ajuda a estimular a interação social.

Depois de confirmada a superdotação, ele pode ser indicado para a Mensa. A Mensa é uma sociedade internacional para superdotados.

“Eu tomei um susto pelo QI ser tão elevado para essa idade. Como deu 122 e só faltou 8 para entrar na superdotação e ele não podia fazer os testes verbais, eu acabei me assustando um pouquinho, porque realmente talvez ele entre”, revelou a mamãe.

Paixão pela música

Rael leva uma vida normal, estuda e brinca bastante, mas tudo regrado e com disciplina.

“A rotina é assim, ele vai para a escola, ele volta, ele dorme, brinca à tarde, ele, geralmente, a gente deixa para fazer atividade da escola umas 6 horas, porque ele está um pouquinho mais tranquilo para fazer e depois ele descansa um pouquinho, dorme como uma criança normal, faz tudo, brinca, pula”, disse Vanilde.

Além disso, o pequeno adora música e pode tocar vários instrumentos.

“A gente disse que ele tem um ouvido instrumental porque ele identifica as diferenças de xilofone para metalofone com muita facilidade. Ele gosta de violão, ele gosta de piano, gosta muito de violino, mas ele não sabe tocar violino ainda, até porque a mãozinha não alcança direito, mas ele adora rock”, finalizou a professora.

Artigo anteriorCurso Cine Diversidade abre inscrições para professores (as) da Secretaria de Educação do DF com foco em inclusão e combate ao preconceito nas escolas
Próximo artigoSTF decidirá hoje quantos gramas de maconha separam usuário de traficante