Homem que atirou 5 vezes na ex é condenado a indenizá-la em R$ 50 mil

0
174

Cleuson Sousa de Moura Silva atirou na vítima no local de trabalho dela. Ele também responde a processo por tentativa de feminicídio

Acusado de tentar matar a ex-companheira Cleonice Maria Lima, enquanto ela trabalhava em um hospital particular de Ceilândia, Cleuson Sousa de Moura Silva foi condenado a indenizar a vítima em mais de R$ 50 mil, por danos morais, materiais e estéticos. O crime ocorreu em 28 de maio de 2023.

Cleonice Maria foi atingida por dois dos cinco tiros disparados pelo agressor. A decisão do juiz substituto da 3ª Vara Cível de Ceilândia levou em conta o fato de que ela precisou passar por várias cirurgias e ficou com sequelas. À época, a vítima ficou na unidade de terapia intensiva (UTI) por nove dias, sedada e sob ventilação mecânica.

Até hoje, segundo o processo, ela faz tratamento com equipe de profissionais das áreas de ortopedia, psicologia, psiquiatria, cirurgia geral e fisioterapia.

“Considerando a gravidade do fato praticado […], além de o delito ter sido praticado no trabalho da autora e, por outro lado, a capacidade financeira do réu, sob o crivo dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, fixo o valor de R$ 30 mil a título de danos morais”, determinou o magistrado na sentença.

Os danos materiais foram fixados em R$ 621,44, segundo os comprovantes de gastos com medicamentos anexados ao processo. Em relação aos danos estéticos, com base em fotos juntadas aos documentos, verificou-se que a vítima ficou com mais de 10 cicatrizes no braço, no abdômen, no tórax e nas costas. O valor da indenização alcançou R$ 20 mil.

As duas partes podem recorrer da decisão. Além disso, Cleuson ainda responde a um processo por tentativa de feminicídio, no Tribunal do Júri de Ceilândia.

Relembre o crime

Cleonice Maria trabalhava como recepcionista quando, por volta das 20h50 da data do crime, Cleuson entrou no hospital e atirou na direção da ex-companheira.

Após o crime, ele fugiu em um Ford Escort vermelho, mas acabou preso momentos depois, em uma parada de ônibus da região. Câmeras de segurança da unidade de saúde registraram o crime.

Cleuson morava em Águas Lindas (GO), no Entorno do Distrito Federal, e havia invadido o hospital em busca da vítima anteriormente. Cleonice Maria tinha, inclusive, medida protetiva contra ele.

Os dois ficaram juntos por quatro anos e haviam se separado cerca de um mês antes do crime.

Artigo anteriorDoenças cardiovasculares matam 8 pessoas por dia no DF, diz levantamento
Próximo artigoTrês torcedores do Valencia que cometeram racismo contra Vini Jr. são condenados a oito meses de prisão